: :
os agilistas

ENZIMAS #186 – O impacto do Desenvolvedor Líder no crescimento e evolução dos times

ENZIMAS #186 – O impacto do Desenvolvedor Líder no crescimento e evolução dos times

os agilistas
: :

Marcelo: Bom dia, boa tarde, boa noite. Este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização.
Bruno: Meu nome é Bruno, eu trabalho na dti acerca de um ano e meio, eu sou desenvolvedor líder de um squad na tribo IQ. E queria falar aqui, hoje, um pouquinho, sobre o impacto do DL no crescimento do time. Quando me perguntam qual é o papel do DL, eu tenho isso bem consolidado, que seria um apoio técnico para o time, para você tirar impedimentos e tudo mais, só que ser DL é um pouco mais do que ser só um desenvolvedor, um desenvolvedor mais sênior, ser DL também tem o L ali, que é de líder. Se me perguntarem o que é ser um líder, eu não vou ter a receita de bolo para te dizer, porque eu tenho sido, tipo assim, desafiado bastante nessa minha trajetória e aprendido muito com o time que eu estou, então não vou trazer essa resposta aqui agora, mas vou trazer um pouquinho das minhas experiências. Ser líder, na verdade, não é você achar que você é dono da razão, que suas escolhas estão acima de qualquer escolha de outra pessoa, na verdade é o contrário, é você saber que força do seu time, na verdade, é o time em si, então sabatinar soluções, entender que todo mundo tem sua trajetória e tem conhecimentos que podem agregar para produção de uma história melhor, e você sabendo isso, você vai passar a escutar mais os seus desenvolvedores, discutir mais sobre os temas que vocês estão desenvolvendo, e isso vai gerar um impacto muito positivo, é um crescimento muito grande no seu time. Não sou a melhor pessoa do mundo, longe disso, mas eu acho que tem algumas soft skills que eu acho que são muito importantes. Eu vou citar só algumas delas aqui, mas a primeira, que eu acho que é a mais crucial, e às vezes falta no ser humano em si, é a empatia. Eu acho que você ser empático com as pessoas é um ponto muito forte para o time se sair bem, você entender os problemas dos outros, você se colocar mesmo no lugar é importante. E a vida não é um teatro, não basta a gente só fazer um curso e achar que eu sou empático, e fingir que eu ligo para o posicionamento dos outros, não, tem que ser de verdade, você tem que realmente saber que, eu falo que eu passo mais tempo com o meu time do que com a minha família, meu time, não, com o time que eu trabalho, do que com a minha família, então eu ser empático com eles e dar essa liberdade fez com que eles se abrissem mais, a gente conversa hoje em dia não só sobre trabalho, a gente conversa sobre a vida, sobre qualquer mudança no âmbito familiar, social, vamos supor, algo mais esdrúxulo de todos, vamos supor, uma pessoa do meu time está mudando, ela vai morar sozinha, ele vai lá, entra em call comigo, me conta isso. E quando a gente chega nesse cenário, o trabalho fica mais livre, fica menos estressante, e com o trabalho menos estressante a gente notou uma melhora na qualidade de entrega deles. Hoje em dia, por ter esse nível de entrosamento, eles conversam entre si ali para discutir soluções já, às vezes tem algum problema, algum bug que encontraram, eles mesmo já vêm uma pré-solução para a gente, e a gente meio que discute entre todo mundo se aquela é a solução correta, então isso deu um ganho muito positivo para a gente. E outra parte que eu acho muito importante, uma outra soft skills, é a gerência de tempo. Ser DL vem com uma certa carga de trabalho muito grande, e você tem que gerenciar histórias, escrever histórias, soluções, cuidar de pipeline, essa estrutura mais técnica, algumas vezes, e lidar com cliente, então acaba que sobra pouco tempo, às vezes, para você designar ao time. Então você saber gerenciar bem esse tempo, para você conseguir dividir essas tarefas e sempre ter contato com o seu time, é muito importante para que o time se dê bem também.

 

Marcelo: Bom dia, boa tarde, boa noite. Este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização. Bruno: Meu nome é Bruno, eu trabalho na dti acerca de um ano e meio, eu sou desenvolvedor líder de um squad na tribo IQ. E queria falar aqui, hoje, um pouquinho, sobre o impacto do DL no crescimento do time. Quando me perguntam qual é o papel do DL, eu tenho isso bem consolidado, que seria um apoio técnico para o time, para você tirar impedimentos e tudo mais, só que ser DL é um pouco mais do que ser só um desenvolvedor, um desenvolvedor mais sênior, ser DL também tem o L ali, que é de líder. Se me perguntarem o que é ser um líder, eu não vou ter a receita de bolo para te dizer, porque eu tenho sido, tipo assim, desafiado bastante nessa minha trajetória e aprendido muito com o time que eu estou, então não vou trazer essa resposta aqui agora, mas vou trazer um pouquinho das minhas experiências. Ser líder, na verdade, não é você achar que você é dono da razão, que suas escolhas estão acima de qualquer escolha de outra pessoa, na verdade é o contrário, é você saber que força do seu time, na verdade, é o time em si, então sabatinar soluções, entender que todo mundo tem sua trajetória e tem conhecimentos que podem agregar para produção de uma história melhor, e você sabendo isso, você vai passar a escutar mais os seus desenvolvedores, discutir mais sobre os temas que vocês estão desenvolvendo, e isso vai gerar um impacto muito positivo, é um crescimento muito grande no seu time. Não sou a melhor pessoa do mundo, longe disso, mas eu acho que tem algumas soft skills que eu acho que são muito importantes. Eu vou citar só algumas delas aqui, mas a primeira, que eu acho que é a mais crucial, e às vezes falta no ser humano em si, é a empatia. Eu acho que você ser empático com as pessoas é um ponto muito forte para o time se sair bem, você entender os problemas dos outros, você se colocar mesmo no lugar é importante. E a vida não é um teatro, não basta a gente só fazer um curso e achar que eu sou empático, e fingir que eu ligo para o posicionamento dos outros, não, tem que ser de verdade, você tem que realmente saber que, eu falo que eu passo mais tempo com o meu time do que com a minha família, meu time, não, com o time que eu trabalho, do que com a minha família, então eu ser empático com eles e dar essa liberdade fez com que eles se abrissem mais, a gente conversa hoje em dia não só sobre trabalho, a gente conversa sobre a vida, sobre qualquer mudança no âmbito familiar, social, vamos supor, algo mais esdrúxulo de todos, vamos supor, uma pessoa do meu time está mudando, ela vai morar sozinha, ele vai lá, entra em call comigo, me conta isso. E quando a gente chega nesse cenário, o trabalho fica mais livre, fica menos estressante, e com o trabalho menos estressante a gente notou uma melhora na qualidade de entrega deles. Hoje em dia, por ter esse nível de entrosamento, eles conversam entre si ali para discutir soluções já, às vezes tem algum problema, algum bug que encontraram, eles mesmo já vêm uma pré-solução para a gente, e a gente meio que discute entre todo mundo se aquela é a solução correta, então isso deu um ganho muito positivo para a gente. E outra parte que eu acho muito importante, uma outra soft skills, é a gerência de tempo. Ser DL vem com uma certa carga de trabalho muito grande, e você tem que gerenciar histórias, escrever histórias, soluções, cuidar de pipeline, essa estrutura mais técnica, algumas vezes, e lidar com cliente, então acaba que sobra pouco tempo, às vezes, para você designar ao time. Então você saber gerenciar bem esse tempo, para você conseguir dividir essas tarefas e sempre ter contato com o seu time, é muito importante para que o time se dê bem também.  

Descrição