: :
os agilistas

ENZIMAS #33 Convivendo com a não linearidade

ENZIMAS #33 Convivendo com a não linearidade

os agilistas
: :
M1: Bom dia, boa tarde, boa noite. Este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização. Pessoal, eu queria hoje falar sobre algumas características de sistemas complexos que estão, infelizmente, se tornando bastante familiares devido à crise do Covid-19. Eu diria que o principal ponto é que a gente não está acostumado, nosso cérebro não está preparado para entender a não linearidade dos fenômenos. Peguemos o que está acontecendo, para não me estender demais tem pelo menos duas coisas que a gente pode destacar na crise do Covid que claramente são não lineares. A questão do crescimento exponencial e uma outra questão que, em sistemas complexos, é modelada como uma mudança de fase. A questão exponencial já vem sendo muito falada, todo mundo está ficando especialista em crescimento exponencial, mas é verdade que a despeito de todo mundo estar vendo curvas o nosso cérebro definitivamente não é preparado para entender um crescimento exponencial exceto quando ele se torna avassalador. Existe um pensador, o (Ray Kurzweil) [00:01:24], eu certamente não pronunciei o nome dele bem, que fala que as coisas mudam muito quando a gente chega na segunda metade do tabuleiro de xadrez, fazendo alusão àquela fábula do crescimento exponencial quando um sábio é pago em grãos de trigo em um tabuleiro de xadrez. O fato é que no começo a mudança ainda não é tão grande, a gente acha que o crescimento é linear e a gente fica simplesmente achando que é o mesmo tipo de fenômeno que a gente já está acostumado a lidar. Isso explica muito o que acontece exatamente nesse momento agora, quando a gente fica achando até que as medidas podem estar sendo exageradas, porque a gente não sente esse crescimento avassalador, a pesar de olhar para uma curva que diz que isso irá acontecer. Aí vem o segundo fenômeno que eu acho interessante também, em sistemas complexos fala-se muito em mudança de fase. O que seria a mudança de fase? Seria um tipping point, um pondo a partir do qual existe uma mudança brutal do comportamento do sistema. Então porque se fala em mudança de fase? Imagine, a água está fervendo, ela vai gradativamente esquentando, ela está do mesmo jeito até que ela não está mais, até que ela vira um gás, uma água em ebulição com comportamento totalmente diferente. Imagine o que acontece em um hospital cujos recursos estão sendo utilizados, ele vai gradativamente usando os recursos, chegando no limite de utilização dos recursos, das máscaras, dos leitos, dos respiradores, etecetera, consegue ainda fazer um atendimento de excelente nível, até que esse tipping point é alcançado e não se consegue mais fazer nenhum tipo de atendimento, o nível de infecção entre os próprios profissionais de saúde aumenta absurdamente porque eles já não têm mais máscaras. Enfim, o sistema passa a operar de forma completamente diferente, é uma mudança completamente não linear, e o que você reconhecia a um dia antes como um hospital que dava conta de cuidar dos seus próprios profissionais e cuidar muito bem de quem chega lá agora é um hospital que vai ficar em uma forma completamente caótica. Então a gente tem muita dificuldade para entender esse tipo de fenômeno, porque são fenômenos não lineares. A gente, infelizmente, parece que os entende somente quando eles de fato acontecem na nossa cara.
M1: Bom dia, boa tarde, boa noite. Este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização. Pessoal, eu queria hoje falar sobre algumas características de sistemas complexos que estão, infelizmente, se tornando bastante familiares devido à crise do Covid-19. Eu diria que o principal ponto é que a gente não está acostumado, nosso cérebro não está preparado para entender a não linearidade dos fenômenos. Peguemos o que está acontecendo, para não me estender demais tem pelo menos duas coisas que a gente pode destacar na crise do Covid que claramente são não lineares. A questão do crescimento exponencial e uma outra questão que, em sistemas complexos, é modelada como uma mudança de fase. A questão exponencial já vem sendo muito falada, todo mundo está ficando especialista em crescimento exponencial, mas é verdade que a despeito de todo mundo estar vendo curvas o nosso cérebro definitivamente não é preparado para entender um crescimento exponencial exceto quando ele se torna avassalador. Existe um pensador, o (Ray Kurzweil) [00:01:24], eu certamente não pronunciei o nome dele bem, que fala que as coisas mudam muito quando a gente chega na segunda metade do tabuleiro de xadrez, fazendo alusão àquela fábula do crescimento exponencial quando um sábio é pago em grãos de trigo em um tabuleiro de xadrez. O fato é que no começo a mudança ainda não é tão grande, a gente acha que o crescimento é linear e a gente fica simplesmente achando que é o mesmo tipo de fenômeno que a gente já está acostumado a lidar. Isso explica muito o que acontece exatamente nesse momento agora, quando a gente fica achando até que as medidas podem estar sendo exageradas, porque a gente não sente esse crescimento avassalador, a pesar de olhar para uma curva que diz que isso irá acontecer. Aí vem o segundo fenômeno que eu acho interessante também, em sistemas complexos fala-se muito em mudança de fase. O que seria a mudança de fase? Seria um tipping point, um pondo a partir do qual existe uma mudança brutal do comportamento do sistema. Então porque se fala em mudança de fase? Imagine, a água está fervendo, ela vai gradativamente esquentando, ela está do mesmo jeito até que ela não está mais, até que ela vira um gás, uma água em ebulição com comportamento totalmente diferente. Imagine o que acontece em um hospital cujos recursos estão sendo utilizados, ele vai gradativamente usando os recursos, chegando no limite de utilização dos recursos, das máscaras, dos leitos, dos respiradores, etecetera, consegue ainda fazer um atendimento de excelente nível, até que esse tipping point é alcançado e não se consegue mais fazer nenhum tipo de atendimento, o nível de infecção entre os próprios profissionais de saúde aumenta absurdamente porque eles já não têm mais máscaras. Enfim, o sistema passa a operar de forma completamente diferente, é uma mudança completamente não linear, e o que você reconhecia a um dia antes como um hospital que dava conta de cuidar dos seus próprios profissionais e cuidar muito bem de quem chega lá agora é um hospital que vai ficar em uma forma completamente caótica. Então a gente tem muita dificuldade para entender esse tipo de fenômeno, porque são fenômenos não lineares. A gente, infelizmente, parece que os entende somente quando eles de fato acontecem na nossa cara.

Descrição

Em alguns momentos podemos achar que as medidas de prevenção contra o coronavírus estão sendo exageradas. Isso acontece porque nosso cérebro não está preparado para entender a não linearidade dos fenômenos. Não conseguimos entender um crescimento exponencial, exceto quando ele se torna avassalador.