: :
os agilistas

ENZIMAS #73 – Enxergue a importância do design

ENZIMAS #73 – Enxergue a importância do design

os agilistas
: :
Schuster: Bom dia, boa tarde, boa noite, este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização. M1: Pessoal, eu fiz um Enzimas recentemente, onde eu mencionei a importância do design como um dos pilares para a transformação mais profunda de uma empresa. Eu queria voltar nesse assunto, porque pensando um pouco sobre esse tema aqui na DTI, eu percebo o quanto é difícil para as pessoas formadas no mundo mais tradicional entenderem de fato o quanto o design pode mudar a visão que um determinado time que tem que resolver um determinado problema, o quanto é possível mudar essa visão, o quanto é possível mudar esse processo de descoberta, e como que isso é que faz no final das contas uma empresa ser de fato mais exploratória e conseguir realmente ficar mais (inint) [00:01:00]. E pensando sobre esse assunto, eu vi que esse processo ele é difícil, ele é lento mesmo. Na própria DTI, eu diria que durante os primeiros anos a gente tinha um foco absoluto no agilismo, a gente fundou a empresa com o DNA de agilismo, e a gente praticamente só falava em agilismo. E quando a gente começou incorporar o pensamento de design há alguns anos, eu fazendo uma reflexão, eu com certeza, não enxergava com a profundidade que eu enxergo hoje o quanto que esse pensamento é importante. Então quando a gente incorporou esse pensamento de design talvez há cinco anos atrás, não sei precisar o tempo, a verdade é que a gente percebia que era algo bom, que a gente tinha que trazer, mas a gente ainda percebia isso com muita limitação. É difícil de a gente realmente se entender que a gente não sabe a solução. É difícil de a gente entender que alguém pode vir com um método que nos permita fazer mais descoberta, que alguém pode vir com um método que nos permita ter mais empatia. Que alguém pode vir com um método que no final nos permita ter um pouco de divergência, mas que essa divergência vai permitir que a gente depois siga caminhos muito melhores. Então eu estou compartilhando essa reflexão aqui mais para tentar mais uma vez abrir a cabeça, abrir o espaço de algumas empresas para que elas realmente se dediquem de corpo e alma ao design, para que elas entendam que isso é uma disciplina que vai ser puxada para um design mas que tem que estar sendo vivida intensamente por todo mundo de um time multidisciplinar, porque essa disciplina juntamente com a geração de valor em curto prazo que o agilismo traz, ela vai ser uma ferramenta fundamental para a transformação.
Schuster: Bom dia, boa tarde, boa noite, este é mais um episódio de Enzimas, breves reflexões que te ajudam a catalisar o agilismo em sua organização. M1: Pessoal, eu fiz um Enzimas recentemente, onde eu mencionei a importância do design como um dos pilares para a transformação mais profunda de uma empresa. Eu queria voltar nesse assunto, porque pensando um pouco sobre esse tema aqui na DTI, eu percebo o quanto é difícil para as pessoas formadas no mundo mais tradicional entenderem de fato o quanto o design pode mudar a visão que um determinado time que tem que resolver um determinado problema, o quanto é possível mudar essa visão, o quanto é possível mudar esse processo de descoberta, e como que isso é que faz no final das contas uma empresa ser de fato mais exploratória e conseguir realmente ficar mais (inint) [00:01:00]. E pensando sobre esse assunto, eu vi que esse processo ele é difícil, ele é lento mesmo. Na própria DTI, eu diria que durante os primeiros anos a gente tinha um foco absoluto no agilismo, a gente fundou a empresa com o DNA de agilismo, e a gente praticamente só falava em agilismo. E quando a gente começou incorporar o pensamento de design há alguns anos, eu fazendo uma reflexão, eu com certeza, não enxergava com a profundidade que eu enxergo hoje o quanto que esse pensamento é importante. Então quando a gente incorporou esse pensamento de design talvez há cinco anos atrás, não sei precisar o tempo, a verdade é que a gente percebia que era algo bom, que a gente tinha que trazer, mas a gente ainda percebia isso com muita limitação. É difícil de a gente realmente se entender que a gente não sabe a solução. É difícil de a gente entender que alguém pode vir com um método que nos permita fazer mais descoberta, que alguém pode vir com um método que nos permita ter mais empatia. Que alguém pode vir com um método que no final nos permita ter um pouco de divergência, mas que essa divergência vai permitir que a gente depois siga caminhos muito melhores. Então eu estou compartilhando essa reflexão aqui mais para tentar mais uma vez abrir a cabeça, abrir o espaço de algumas empresas para que elas realmente se dediquem de corpo e alma ao design, para que elas entendam que isso é uma disciplina que vai ser puxada para um design mas que tem que estar sendo vivida intensamente por todo mundo de um time multidisciplinar, porque essa disciplina juntamente com a geração de valor em curto prazo que o agilismo traz, ela vai ser uma ferramenta fundamental para a transformação.